24 de novembro de 2016

D'Ladrine

Olá pessssooooaaassss!
Semana passada eu deixei de postar a minha coluninha, mas não foi por descaso, é só o fim de semestre pegando fogo haha
Hoje eu trouxe algo diferente do que eu costumo postar sempre, uma banda daqui de Brasília, que olha...! Quando eu baixei o material no meu e-mail, me surpreendeu muito com a qualidade musical!



D’ladrine é uma banda de Rock Alternativo de Brasília, formada no final de 2013. A banda possui um repertorio autoral que varia do Indie, Pop e Post-Hardcore, deixando sua identidade única através do experimentalismo em suas composições. As letras falam sobre autocrítica, saudade, amor e motivação.

A banda vem se apresentando em Brasília e no entorno, divulgando seus dois primeiros singles: ''Arquitetos’’, lançados no início de 2014 e ''Onde A Realidade Se Esconde'', single lançada em 2016, que rendeu elogios de diversas pessoas influentes como Yuri Nishida (Fundador das bandas: NX0, Glória, Granada, Vowe e Legado) e Kiko Zambianchi, e hoje se prepara para o lançamento do EP 'Onde A Realidade Se Esconde'' a fim de marcar essa nova fase para 2016.

O quinteto já se apresentou em diversos festivais sendo eles: Grito Rock, Dia Da Música, Rockaipira, Móveis Convida e Seletiva do Porão do Rock dividindo palco com diversos artistas, como: Alarmes, Aurora Rules, Lost In Hate, Bandanos e As Verdades De Anabela durante sua trajetória.


É formada por: Daniel Rodrigues - Vocal e Guitarra, Jhonatan Oliveira - Baixo, Keyti Nobayashi - Guitarra, Rafael Sanches- Guitarra.

Links para contato:

Site: ladrinerockout.wixsite.com/dladrine
Instagram: @dladrine



Então é isso! Se você gosta de música, e se você gosta de música boa, eu não acredito que ainda não clicou no link do canal deles!

Beijõoooissss






11 de novembro de 2016

Coluna do Pedro: Ele é de Capricórnio




   Oi gente, tudo bem? Espero que sim. Essa semana eu estava meio “coisado” com umas borboletas no estômago, e sei lá, nem sabia ao certo o que era, mas enfim. Passei a semana toda ouvindo Clarice Falcão ♥ (quem ouviu, ouça de novo, quem nunca ouviu não perde mais tempo), relembrando de muitas coisas que fiz e pensando se talvez eu tivesse feito diferente hoje seria diferente? Foi ai que eu percebi que nós somos responsáveis por nós mesmos que nossas escolhas dizem muito sobre nós e foi ai que eu vi que sempre que eu lia sobre meu signo ele dizia muito sobre o que eu estava sentindo, então resolvi compartilhar com vocês um pouco do que é ser capricorniano. Como de praxe tem uma musica pra acompanhar a leitura. Espero que gostem.  ;3

Musiquinha pra ouvir enquanto lê.



                                         

    Ele é de capricórnio e eu só vou lhe falar uma coisa, que apesar do que possam falar e do que digam os horóscopos de revistas de fofoca, ele tem sim coração. E ele é enorme, toma conta do corpo quase todo. Ele é todo coração, ele só não expõe numa vitrine pra todo mundo ficar olhando. Ele gosta de saber onde tá pisando e ainda assim tem sempre um pé atrás não que isso signifique que não vai fazer idiotices. Ele chora, ele sente, até mesmo quando finge não sentir nada, está com um turbilhão no peito e na cabeça. Ele já se machucou e as feridas que demoram a cicatrizar, ele trata com respeito. Não permite que ninguém fique cutucando, tirando casquinha ou remexendo na sua dor, mas se algum dia você se mostrar de verdade e ele te enxergar e vê sinceridade em você, ele vai se mostrar e se entregar por inteiro, e ah quando ele se entrega ele se entrega mesmo, de corpo e alma e ai também ele sente, sente muito sente até demais e quando é ferido ou magoado ele chora, chora muito mas sempre acorda com um sorriso no rosto, sempre acorda pra mais um dia e vive sempre como se fosse o ultimo. Ele gosta de ter tudo planejado na sua cabeça, embora nem sempre – ou quase nunca – siga seus planos. Ele dá valor aos seus objetivos e geralmente vai até o fim pra conseguir o que quer as vezes passa dos limites, mas sempre pensa que os fins justificam os meios.    

    Ele é independente e dá valor a isso. Por isso não diga que é ganância quando ele exigir ser recompensado pelo seu trabalho duro e quando ele der valor a tudo o que construiu. Ele pode parecer frio como gelo. É uma imagem comum que se faz dele. Mas no fundo e por dentro ele é quente e arde. Ele arde de prazer pelas coisas que ama, pelos sonhos que tem, pelas coisas que deseja conquistar, talvez esse choque térmico o faça ser assim tão especial e único. Ele é quente que nem o seu abraço mais verdadeiro e como o seu beijo mais apaixonado.Ele é apaixonante e isso te apavora, eu sei. 

    Ele também tem medo de se deixar apaixonar, mas quando descobre o amor próprio, ninguém é capaz de amá-lo mais do que ele mesmo! E como isso é bonito sobre ele. Esse é só mais mistério que ele tem. Mas no fundo, é lógico como um jogo de xadrez, onde se tem que analisar todas as probabilidades antes de avançar. No amor também age como no jogo, então se ele se entregou é porque acredita.Ele se entrega às causas que acredita e se põe no lugar do outro como ninguém. Ele é tão intenso quando se trata de emoções, cara. Ele chora com músicas melancólicas e ri de piadas sem graça. 
    
    Ele se comove com filmes que não são tão óbvios e até com comercial de dia dos pais na TV. Ele dá valor às relações, independente da duração. Pra ele o que vale é a intensidade, porque é isso que ele é. Quando ele sente, sente mais do que qualquer um no mundo, para o bem e para o mal.Quando sorri, o mundo se ilumina. Quando fica triste, se fecha. Mas, ele não precisa necessariamente estar triste para se voltar pra si mesmo e decidir que quer ficar sozinho. Às vezes é só um momento. E quando ele quiser estar só, deixe o. Ele vai se fechar por um tempo, ficar mais calado, pensar mais, agir menos, porque é isso que ele faz. Mas fica tranquilo, ele volta e volta ainda melhor.E isso e apenas isso faz com que ele seja esse capricorniano nato e difícil que sabemos que é e sempre foi e será, nada e tudo tira seu animo, nada e tudo é importante, nada e tudo só por que ele é capricorniano.


                                                                      ***
“Sou mineiro à baiana. Sou trabalho, livros, música, sou indie. Sou viagem, revistas, sou Internet, sou TV e DVD, cinema, sou teatro. Sou azul, sou flamenguista, sou moreno, sou jeans, sou ar-condicionado, sou avião, sou metrô, sou bicicleta, sou a pé, sou gol, sou musculação, sou sol, sou mar e céu, sou CAPRICÓRNIO, sou pedra, sou Pedro, sou Minas, sou Brasília, sou Brasil.”

                                                                      
                                                                        ***


                          Bjos seu lindos, até mais ;3 





                                   

4 de novembro de 2016

Coluna da Ravs: Padrões. Pra quem?

                    Quando eu tinha 15 anos, eu era uma pessoa extremamente magra.

                    Como quase toda adolescente, que busca conseguir se conhecer, se identificar e se construir, mesmo que sem saber disso, eu me sentia muito desconfortável com o meu corpo.
                    Eu percebia como as meninas "bonitas de corpo" eram mais olhadas pelos meninos. Mais desejadas. Mais comentadas. Mais populares...
                    Eu não tinha corpão. Era magra. Magra mesmo.
                    Lembro até de, certa vez, pedir para Gabbe pesquisar (pois na época, além de tudo, era mais do que pobre e não tinha internet e muito menos computador em casa) alimentos que me fariam engordar, como se isso pudesse acontecer com um passe de mágica, só por causa da minha força de vontade de querer "ter bunda".
                    Pois bem. Isso abalou muito minha auto-estima. Até cheguei a gostar de um menino de outra sala, que chegou a comentar com a minha outra amiga que, só ficaria comigo se eu renascesse pelo menos 10 vezes, e fizesse umas 15 cirurgias plásticas.
                    "Dá pra ser modelo" alguns diziam. E até fui mesmo! Participei de concursos como o quadro "Menina Fantástica" do Fantástico, e até fiquei entre umas das pré-finalistas de cidade. Não fui selecionada, mas ainda assim continuei tentando por algum tempo. Participei de alguns concursos aqui de Brasília mesmo, sempre como finalista, e nunca como vencedora (hoje eu entendo que eu sempre fui vencedora. Talvez, se eu tivesse ganho algum desses concursos, hoje eu estaria morta, ou com anorexia. Então tudo acontece por um motivo. Eu me sinto vencedora, por aceitar o meu corpo e amar cada parte dele).  Fiz bastante fotos, desfiles, performances, etc...
                    Mas eu era modelo para quem afinal? Modelo de que?
                    Todos os dias o meu desejo de ser um pouco mais gordinha ia dormir comigo, na mesma cama, dividindo o mesmo travesseiro.
                    Acontece que o tempo passou, a depressão pesou um tapa forte na minha cara, a bulimia, pela cobrança de me manter magra contra a minha vontade me fez emagrecer mais ainda, e isso virou um ciclo doloroso.


                   E ainda bem que o tempo passa.

                   Desisti de ser modelo. Me casei. Fui mãe. Me separei. E até consegui engordar. Mas nunca fui uma mulher de "porte grande", apesar de alta. Digo, nunca fui de ter seios fartos, quadril largo, cintura fina, ou bunda grande.

                   Sou magra.
                   Só que hoje, aceito o meu corpo.
                   Eu entendi nesse meio tempo, que ter peito ou bunda não vai mudar a sua beleza. Todo mundo é belo. Grande ou pequeno. Magro ou gordo. O que importa mesmo é nos sentirmos bem com o que temos.
                    E eu me sinto extremamente bem, não tendo aquele corpo de "panicat", tão desejado pelos meninos.
                    Eu me sinto bem na singularidade do meu corpo.
                    O nosso corpo é uma máquina incrível, que inclui os nossos sentidos, emoções, pensamentos... Todos somos lindos de uma forma ou de outra.
                    Uma hora, eu acredito, a humanidade vai se libertar disso, como eu me libertei.
A liberdade interna. De se sentir ótima, mesmo com tanto padrão. Mesmo com tanta imposição. Mesmo com tanto comentário negativo.
                   No dia que vocês descobrirem isso, me chamem para um café, e iremos conversar sobre a nova sensação de nos sentirmos tão lindas e únicas.


               

31 de outubro de 2016

Coluna do Pedro:Quando é a hora de reagir

Oi gente! Primeiramente desculpem pela demora. Sou o novo colunista aqui do blog e vou estar postando toda semana coisas interpessoais e intrapessoais. Espero de coração que vocês gostem.
P.S. Prometo, ainda essa semana, outra postagem pra compensar a semana passada que ficou em branco. 

                                                               Ouça enquanto lê.



Quantas e quantas vezes, olhamos  pra um lado, depois pra outro e pra dentro de nós mesmos, e não encontramos as resposta que procuramos? Quantas e quantas vezes sentimos coisas que não sabemos explicar? Quantas e quantas vezes sentimos como se não fossemos nada, como se nossa ausência não fosse notada? Quantas vezes pensamos que merecemos mais, mas nunca fazemos nada pra mudar, nada que gere uma ação, uma verdadeira mudança? Quantas foram às vezes? 


Saiba que isso acontece mesmo! É a vida dizendo: “ei é hora de mudar!", "ei é hora de tomar uma decisão." Decisão essa que muda tudo. Continuar dessa forma, sem saber explicar o que sente? Continuar com esse nó na garganta diariamente? Continuar se sentindo dispensável, pensando que qualquer um é melhor que nós, que qualquer um "pode ser você"?

-NÃO 


É hora de acordar!
 De olhar pra cima e ver que o sol brilha pra todos, inclusive pra nós. Que temos que erguer a cabeça e sempre olhar pra frente. Sorrir sempre e chorar quando for preciso, mas que esse choro não dure mais do que um sorriso, que esse choro seja apenas por nós, que ele não seja pra alguém. Mas que esse choro seja aquele que lava a alma, que limpa tudo, que faça o arco-íris aparecer. Que esse choro aconteça quando realmente for necessário e que não seja por um motivo qualquer. Que esse choro seja pra você, pra limpar seus olhos e pra que possa ver quão grandioso, belo e majestoso você é.

                   
                                                                   ***

“Olhe a sua volta e chegue a simples conclusão de que você se basta. Algumas pessoas fazem parte do seu cenário e são importantes, mas não tanto quanto você mesmo. Seja daquelas que acreditam e enxergam nitidamente que você é a única responsável pela sua felicidade e realmente faz de tudo para ser feliz. Escreva o roteiro da sua vida e se baste com a sua pessoa e presença.” 



                                                                    ***


Beijo seus lindos, até mais! ;)





         

27 de outubro de 2016

Ouvindo a Palavra do Indie

Oi gente, cês tão bem? Espero que sim no momento eu estou morrendo de alergia, mas okay, estou acostumada, passei o dia inteirinho ouvindo algumas das bandas que vão tocar no Lollapalooza, e estive pensando, onde eu estava escondida nesse planeta? A maioria das bandas são ótimas e eu simplesmente não conhecia a maioria! Já achei que valeria a pena ir pelos Strokes, Two Door Cinema Club, The XX e Cage The Elephant, Tove Lo, Metallica, as mais conhecidas, né? Mas gente, me prometam uma coisa, quando o indie bater na sua porta, deixa ele entrar e falar com você, nada de ruim pode sair daquele que só pensa em amorzinho!


Você já viu esses meninos? Eu vi eles hoje, eles são os 'Catfish and the Bottlemen', eles tem músicas ótimas de verdade! E foi aí que percebi o quanto estou obscura quanto à música, eu escuto o mais do mesmo sempre, por preguiça, jesus! Quando eu era mais desocupada, conhecia tudo muito antes, era daquela que prestava atenção em quando ia lançar álbum, que pedia CD's de aniversário, natal, até de pascoa! A pessoa que sou hoje, custou a descobrir que os Strokes tinham lançado um álbum novo, e cara, isso nunca atrapalhou ninguém, música na verdade só ajuda e percebi que depois que tirei o espaço tão especial que a música tem dentro de mim, me tornei uma pessoa mais triste.

O que eu amo ouvir no fone de ouvido, no som do carro, muito alto dentro de casa é indie, pop, tenho estado aberta para eletrônica e tals, mas já fui muito feliz ouvindo Jonas Brothers, Restart, Sandy e Júnior, Eliana, É o Tchan (é o tchan faz todo mundo feliz, pfvr).O que eu quero dizer é, não importa que tipo de música você curte, não deixe essa chama tão quentinha e maravilhosa fugir do seu coração!


P.s. Vocês viram o Pedro ali no cantinho, embaixo da foto da Ravs? Ele é novo colunista e já já vocês vão conhecer o trabalhinho dele s2
Veja também: Plugin for WordPress, Blogger...